Qual a melhor maneira para afastar os maus espíritos?

Qual a melhor maneira para afastar os maus espíritos?

Revista Espírita ANO 5 – DEZEMBRO 1862 – Nº. 12 de Allan Kardec

Trata-se de lutar contra um adversário. Ora, quando dois homens lutam corpo a corpo, é o de músculos mais fortes que vencerá o outro.

Com um Espírito não se luta corpo a corpo, mas de Espírito a Espírito; e ainda o mais forte será o vencedor.

Aqui a força está na autoridade que se pode exercer sobre o Espírito e tal autoridade está subordinada à superioridade moral. Esta, como o sol, dissipa o nevoeiro pela força de seu raios.

É BOM ESFORÇAR-SE, TORNAR-SE MELHOR SE JÁ SE É BOM, PURIFICAR-SE DE SUAS IMPERFEIÇÕES, NUMA PALAVRA, ELEVAR-SE MORALMENTE O MAIS POSSÍVEL. TAL O MEIO DE ADQUIRIR O PODER DE COMANDAR OS ESPÍRITOS INFERIORES, PARA OS AFASTAR. DO CONTRÁRIO ZOMBARÃO DE VOSSAS INJUNÇÕES (Livro dos Médiuns, nº 252 e 279).

Sem dúvida certas pessoas prefeririam outra receita mais fácil para expulsar os maus Espíritos: algumas palavras a pronunciar, ou sinais a fazer, por exemplo, o que seria mais cômodo do que corrigir os próprios defeitos.

LAMENTAMOS, MAS NÃO CONHECEMOS PROCESSO MAIS EFICAZ PARA VENCER UM INIMIGO DO QUE SER MAIS FORTE QUE ELE. Quando estamos doentes, temos que nos resignar a tomar remédios, por mais amargos que sejam.

Mas, também, quando se teve a coragem de os tomar, como a gente se sente bem e como se fica forte!

TEMOS QUE NOS PERSUADIR DE QUE, PARA ALCANÇAR TAL OBJETIVO, NÃO HÁ PALAVRAS SACRAMENTAIS, NEM FORMULAS, NEM TALISMÃS, NEM SINAIS MATERIAIS QUAISQUER. OS MAUS ESPÍRITOS SE RIEM E, ÀS VEZES, GOSTAM DE INDICAR ALGUNS, QUE DIZEM INFALÍVEIS, PARA MELHOR CAPTAR A CONFIANÇA DAQUELES DE QUEM ABUSAM, PORQUE, ENTÃO, ESTES, CONFIANTES NA VIRTUDE DO PROCESSO, ENTREGAM-SE SEM MEDO.

ANTES DE ESPERAR DOMINAR O MAU ESPÍRITO, É PRECISO DOMINAR-SE A SI MESMO.

De todos os meios para adquirir a força de o conseguir, o mais eficaz é a vontade, secundada pela prece, entendida a prece de coração e não aquelas nas quais a boca participa mais que o pensamento. É necessário pedir a seu anjo de guarda e aos bons Espíritos que nos assistam na luta.

MAS NÃO BASTA LHES PEDIR QUE EXPULSEM O MAU ESPÍRITO: É NECESSÁRIO LEMBRAR-SE DA MÁXIMA: “AJUDA-TE, E O CÉU TE AJUDARÁ;” e lhes pedir, sobretudo, a força que nos falta para vencer nossas más inclinações, que para nós são piores que os maus Espíritos, pois são essas inclinações que os atraem, como a podridão atrai as aves de rapina.

Orando também pelo Espírito obsessor, pagamos com o bem pelo mal, mostramo-nos melhor que ele, o que já é uma superioridade. Com a perseverança a gente acaba, na maioria dos casos, por conduzi-lo a melhores sentimentos, transformando o obsessor em reconhecido.

Em resumo, a prece fervorosa e os esforços sérios por se melhorar são os únicos meios de afastar os maus Espíritos, que reconhecem como senhores aqueles que praticam o bem, ao passo que as fórmulas lhes provocam o riso. A cólera e a impaciência os excitam. É preciso cansá-los, mostrando-se mais pacientes.

Allan Kardec

Revista Espírita ANO 5 – DEZEMBRO 1862 – Nº. 12 de Allan Kardec

Na obra A Genese cap dos Fluidos item 21 encontramos o seguinte.

21. Dir-se-á que se podem evitar os homens mal intencionados; porém, como subtrair-se à influência dos maus Espíritos que pululam em nosso derredor e se insinuam por toda a parte sem ser vistos?

O meio é muito simples, pois depende da vontade do próprio homem, que traz em si mesmo o preservativo necessário.

Os fluidos se unem em razão da semelhança de sua natureza; os fluidos dissemelhantes se repelem; há incompatibilidade entre os bons e os maus fluidos, como entre o azeite e a água.

Que se faz então, quando o ar está viciado? Saneamo-lo, o purificamos, destruindo o foco dos miasmas, combatendo os eflúvios malsãos por correntes mais fortes de ar salubre.

À invasão dos maus fluidos, pois, é preciso opor os bons fluidos; e, como cada um tem em seu próprio perispírito uma fonte fluídica permanente, trazemos o remédio em nós mesmos; trata-se de purificar esta fonte e dar-lhe tais qualidades, que sejam um verdadeiro repulsor para as más influências, em lugar de ser para elas uma força de atração.

O perispírito é pois uma couraça à qual é preciso dar a melhor têmpera possível; ora, como as qualidades do perispírito estão em razão das qualidades da alma, será preciso trabalhar em sua própria melhoria, pois são as imperfeições da alma que atraem os maus Espíritos.

As moscas se dirigem para onde haja focos de corrupção que as atraem; destruídos tais focos, as moscas desaparecerão. Da mesma forma os maus Espíritos vão onde o mal os atrai; destruí o mal, e ele se afastarão.

Os Espíritos realmente bons, encarnados ou desencarnados, nada têm a temer da influência dos maus Espíritos.

Allan Kardec
A Gênese