Carta psicografada, Qual é o certo? Homem ou mulher

Carta psicografada, Qual é o certo? Homem ou mulher

Ser Homem ou mulher: Papai me perdoe, eu tentei ser o homem e o filho que o senhor sempre sonhou, mas não consegui. Eu lutei intensamente. Dias e noites eu vivia em constante luta íntima, para não ser essa figura desprezível que o senhor tinha vergonha. Eu sempre tinha em meu coração uma esperança que eu ia ser o filho hétero, macho e pegador de mulheres, mas enfim me tornei uma mulher literalmente. Foi muito forte, estava no corpo errado e não pude ser o que não existia em mim, o espírito masculino.
Mas tenho vergonha, não pela minha escolha sexual, mas sim pelo ato infeliz que cometi: o suicídio. Eu sou um filho de Deus e não uma aberração do “Infeliz”, e era essa convicção que eu tinha que ter, pois jamais faria uma coisa para envergonhar o senhor e a minha mãezinha. Sei do sofrimento que causei a todos vocês com meu ato, mas estava em total solidão e esse mundo é tão grande e preconceituoso que não suportei. Infelizmente.
Sofri horrores, pois cometi o pior dos pecados. Hoje estou me recuperando e recebendo todo o cuidado, carinho e principalmente esclarecimento, pois devemos ter mais conhecimento antes de recriminar, julgar e abandonar um filho que deixou o convencional homem e mulher. Isso é o certo? Ou o certo é ser digno, respeitado, bom homem no sentido bom filho de Deus.
O que é melhor para um pai? Um filho criminoso que tira a vida de outro homem, mas ele é homem e os pais querem filho homem, não importa a sua essência, o seu ser, o seu eu?
Eu ainda não tenho o seu perdão, pois não consigo sentir nenhuma vibração de amor vindo do senhor, mas eu te amo como no momento em que soube que seria o seu filho homem, tão esperado e desejado.
Minha mãezinha querida me perdoe, pois sei de todo o seu sofrimento e do seu desespero quando não tinha condições e nem autoridade para me ajudar, mas sempre soube do seu amor por mim e eu sinto que a senhora me perdoou e ora sempre para que o Pai me tire da escuridão. Já não me encontro na escuridão graças a Deus.
Obrigada mãezinha querida, foram suas preces que me devolveu a Luz.

João Gabriel Ferreira.
“Maria”.

Psicografada em 2016.

Médium: M. Nicodemos.